Sábado, 6 de Novembro de 2010

Levantado do Chão

Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-geral do PCP, Casa do Alentejo, Lisboa, Sessão Comemorativa do 30º aniversário da publicação da primeira edição do romance «Levantado do Chão»

 

Jerónimo de Sousa na Sessão Comemorativa do 30º aniversário do romance «Levantado do Chão» de José Saramago

 

Quinta 4 de Novembro de 2010

 
Intervenção de Jerónimo de Sousa na Sessão Comemorativa dos 30 anos da lançamento de "Levantado do Chão" de José Saramago.
 
Assinalamos hoje, aqui, o 30º aniversário do lançamento da primeira edição daquele que é um, incontestavelmente, dos grandes romances da Literatura Portuguesa: «Levantado do Chão», de José Saramago – escritor de dimensão internacional, Prémio Nobel da Literatura, militante do Partido Comunista Português.

 

Referindo a militância comunista do camarada José Saramago, o que quero sublinhar é que o romance, cuja data de publicação aqui comemoramos, bem como toda a obra literária do Autor, estão indissociavelmente ligados à sua condição de comunista. Com efeito, sem essa condição, a obra de José Saramago, independentemente do singular talento do autor, não seria exactamente o que é; as massas humanas que povoam os seus livros – e de forma flagrante no «Levantado do Chão» – seriam outras, seguiriam outros caminhos, acalentariam outros sonhos, transportariam outros projectos e não seriam, como são, protagonistas activos do incessante movimento da história.

 

Foi assumindo essa condição que José Saramago afirmou que, para conquistar o Prémio Nobel, não deixou de ser comunista – afirmação clara e inequívoca e que assume maior relevância e actualidade neste tempo em que assistimos à descredibilização dos «nobeis», por efeito de atribuições que constituem autênticas peças da intensa operação ideológica anticomunista em curso.

 

Por isso, vale a pena sublinhar que, não esquecendo a importância que o Prémio teve para José Saramago e a imediata projecção planetária que lhe deu, é importante não esquecer, também, que a obra literária do grande escritor José Saramago, tivesse ou não tivesse o seu autor sido galardoado com o Prémio Nobel, constituiria sempre um marco maior da literatura mundial – e vale a pena relembrar, ainda, que a atribuição do importante galardão ao autor de «Levantado do Chão» foi altamente prestigiante para o próprio Prémio.

 

«Levantado do Chão» é um romance épico que nos fala da saga heróica do proletariado agrícola do Alentejo, organizado no seu partido de classe, o PCP, rumo à conquista do seu sonho maior, da sua aspiração mais sentida, do seu querer mais forte: a Reforma Agrária, com a entrega da terra a quem a trabalha.

 

Neste livro está presente a memória de décadas e décadas de luta:

a luta corajosa, permanente, tenaz, dos assalariados agrícolas do Alentejo e do Ribatejo contra o regime fascista e o latifúndio, que era um dos seus sustentáculos fundamentais.

Luta travada por homens e mulheres que, enfrentando a violência e a brutalidade fascistas com uma elevada consciência de classe e política, e sempre violentamente reprimida pelo fascismo – com as perseguições, as prisões, as torturas, os assassinatos, casos de Catarina Eufémia, em Baleizão, em 1954 e de José Adelino dos Santos, em Montemor-o-Novo, em 1958 – constituiu dos momentos mais altos da longa e heróica resistência dos trabalhadores e do povo ao português ao fascismo.

 

Luta, muitas vezes, conduzindo a vitórias memoráveis, como aconteceu com a histórica conquista das oito horas de trabalho, em Maio de 1962, e que este magnífico «Levantado do Chão» sinaliza admiravelmente.

Luta que, pouco a pouco, foi lançando nos campos do latifúndio opressor e explorador, as sementes que, com Abril, viriam a florir na mais bela conquista da nossa Revolução.

 

Luta que continuou, em novos moldes, no processo de construção da Reforma Agrária, com a decisão histórica dos trabalhadores de avançarem para as terras, ocupando-as e cultivando-as, numa altura em que a sabotagem económica levada a cabo pelos grandes agrários punha em perigo a liberdade e a democracia acabadas de conquistar – e que, pouco mais de um ano passado, tinha mais de um milhão de hectares de terra a produzir como nunca antes acontecera; eliminara o flagelo do desemprego com a criação de 50 mil postos de trabalho; e criara nas centenas de Unidades Colectivas de Produção – essas estruturas de novo tipo nascidas da criatividade revolucionária dos trabalhadores – novas relações de produção, de cooperação e de solidariedade que, naquele universo e naquela situação concreta, significaram o fim da exploração do homem pelo homem.

Luta que, posteriormente, teve que enfrentar a ofensiva destruidora e criminosa das hordas contra-revolucionárias, num Alentejo outra vez a ferro e fogo, outra vez com a repressão e a violência à solta.

 

Quando o «Levantado do Chão» foi publicado, essa ofensiva contra a Reforma Agrária estava no seu início: estava em curso o processo devastador que, iniciado pelo primeiro Governo PS/Mário Soares, seria prosseguido por sucessivos governos dos três partidos da contra-revolução, PS, PSD e CDS – governos, todos eles recorrendo ostensivamente ao golpe e à ilegalidade; todos eles ordenando os roubos de terras, de colheitas, de alfaias, de máquinas, de gados; todos fora da lei, violando a Constituição da República Portuguesa e rasgando insolentemente centenas de decisões favoráveis à Reforma Agrária emitidas pelos tribunais; todos eles, pela sua política, fazendo ressurgir a tríade de negra memória composta pelos grandes agrários, pelos governos e pelas forças repressivas; todos eles levando outra vez ao Alentejo o desemprego, a miséria, a desertificação, as cercas de arame farpado guardando campos que não produzem – todos eles levando outra vez ao Alentejo as perseguições, os espancamentos, os julgamentos sumários, as prisões e, também à semelhança do tempo do fascismo, não hesitando em recorrer ao assassinato, como nos casos de José Geraldo Caravela e do jovem António Maria Casquinha.

 

Foram catorze longos anos de resistência, catorze longos anos de acção em defesa da mais bela conquista da Revolução, numa luta que teve como protagonistas milhares de homens, mulheres e jovens de Abril, aos quais milhares de trabalhadores de todo o País prestaram a sua solidariedade de classe. Foi, enfim, todo o povo da Reforma Agrária: esse povo levantado do chão e olhando de frente o futuro.

 

E o que ressalta desta experiência memorável, em que, pela primeira vez na história, os proletários agrícolas do Sul foram donos e senhores do seu destino, é que no futuro democrático de Portugal, a Reforma Agrária é uma necessidade incontornável e que lutar por ela é lutar pela democracia, pela liberdade, pela justiça social, pelo progresso, pela independência e soberania nacionais.

 

Desta epopeia grandiosa e heróica, feita de coragem e determinação, de convicção e esperança, de confiança e de certeza, emerge, como  ensinamento fundamental para os dias de hoje, a importância decisiva e a indispensabilidade da luta: a ideia fulcral de que lutar vale sempre a pena; de que a luta é o caminho para o futuro – sejam quais forem as circunstâncias existentes, sejam quais forem as consequências e seja qual for o resultado imediato da luta – assim confirmando que se é verdade que quem luta, nem sempre ganha, mais verdade é que quem não luta, perde sempre.

 

Ensinamento que nos dias que vivemos assume particular relevância, dada a força da actual ofensiva ideológica do grande capital veiculada profusamente pelos média de que é proprietário, e procurando vender, em embalagens cheias de enfeites perversos, as teses do conformismo, da passividade, das inevitabilidades, da inutilidade da luta. Uma ofensiva que é complementada e complementa, o clima de intimidação, de chantagem, de represálias, existente em milhares de empresas, onde o grande capital, com a luz verde dos seus governos e sempre à margem da lei, acentua e intensifica a exploração, espezinhando e violando a Constituição da República Portuguesa, afrontando a democracia de Abril, os seus princípios e os seus valores essenciais.

 

Ensinamento que nos tempos de hoje tem tanto mais valor quanto são os trabalhadores, as suas organizações de classe, o seu Partido de classe, a resgatar o valor da luta, decidindo-a e fazendo-a. Decidindo-a e concretizando-a com a plena consciência da relação de forças que lhes é desfavorável, com a lucidez que decorre da análise da ofensiva, da sua envergadura, dos seus objectivos. Mas também sabemos que, num quadro de agudização da luta de classes, o conformismo não só não resolve como agrava a ofensiva e a exploração. E que, em determinados momentos históricos, resistir é já vencer.

 

Eis pois o ensinamento e a lição que os trabalhadores em muitas empresas estão a dar, que os trabalhadores da Administração Pública vão dar no dia 6, que as forças da Paz e contra a NATO vão dar no dia 20, que os trabalhadores portugueses vão afirmar na Greve Geral do dia 24 de Novembro – Levantados do Chão!, bem podia ser o lema destas lutas todas.

 

Ao partido dos trabalhadores o que se exige é mais do que ser solidário com a luta. Ao PCP o que se coloca é mobilizar, organizar, participar e intervir politicamente em todos os espaços onde seja preciso travar combates.

 

Como é, por exemplo, a intervenção da nossa candidatura às presidenciais convocados que estamos para, ombro a ombro com o nosso candidato, o camarada Francisco Lopes, participarmos numa batalha que não deve nem pode ser dissociada da luta pela ruptura e pela mudança, pela defesa dos direitos dos trabalhadores, pela afirmação do nosso projecto de transformação social.

 

No remate do seu livro «Levantado do Chão», José Saramago afirmou designadamente:

«Do chão sabemos que se levantam as searas e as árvores, levantam-se os animais que correm os campos ou voam por cima deles levantam-se os homens e as suas esperanças. Também do chão pode levantar-se um livro, como uma espiga de trigo ou uma flor brava. Ou uma ave. Ou uma bandeira.»

 

Com o risco do acrescento afirmamos nós:

Mesmo que nos tombem voltaremos a erguer-nos, que outros se erguerão nesta dura e fascinante caminhada de transformar a vida.

 

 Extraido do site do: Partido Comunista Português

Reforma Agrária editou às 08:03

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De tv a 25 de Novembro de 2010 às 00:44
Estou a ver na televisao informacao sobre a greve. O elevado grau de adesão á greve geral verificado mostra claramente que a solução imposta pelo Governo PS é repudiada pela maioria dos portugueses. Sócrates mentirá se disser que o bom povo português aceitou os sacrifícios que lhe foram pedidos.

Comentar post

pesquisar

 

Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Artigos Recentes

Eu contribui para a Refor...

Imagens para recordar

A LEI DA TERRA (1977)

Levantado do Chão

Reforma Agrária – A mais ...

Lino de Carvalho conta hi...

história da Reforma Agrár...

A liberdade sonhada, a li...

estamos em greve

Relembrando a Reforma Agr...

Arquivos

Maio 2013

Abril 2013

Maio 2012

Novembro 2010

Agosto 2010

Fevereiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Blog Principal


A Bandeira Vermelha

A voz do trabalhador


A voz do proletário

Sindicato - esquerda


CGTP - Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses

Camaradas de luta


Poder Popular

Explorados e Oprimidos

Vítimas do terrorismo

O Revolucionário

Unidade POVO/MFA

Bandiera Rossa

O Verdadeiro Socialismo

O anti-capitalista

Estou no...


Estou no Blog.com.pt

E você, blogaqui?
blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags